Logo da República do Brasil - Justiça Federal da 5ª Região
Link do Tribunal Regional Federal da 5ª Região
Imagem do Portal da Justiça Federal
Portal da Justiça Federal da 5ª Região TRF5 Sustentável Selo Justiça em Números

TRF5 mantém condenação de dentista que recebeu salário sem cumprir jornada de trabalho

17/11/2021 às 13:22:00

A Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região – TRF5 manteve a condenação por improbidade administrativa de um dentista, servidor público do Município de Abaiara (CE), que recebeu salário por mais de dois anos sem cumprir a jornada de trabalho, e da secretária municipal de saúde à época dos fatos. A decisão, unânime, confirma a sentença da 16ª Vara da Justiça Federal no Ceará.

Nomeado para o cargo de cirurgião-dentista do Programa Saúde da Família (PSF), após aprovação em concurso público, o servidor manteve vínculo de trabalho com o município entre janeiro de 2007 e janeiro de 2013. Entretanto, no período de agosto de 2010 a janeiro de 2013, o profissional deixou de exercer suas funções na Unidade Básica de Saúde da Família, embora continuasse a receber salário mensal de R$ 2.500,00.

De acordo com as provas obtidas pela Controladoria Geral da União (CGU), apresentadas pelo Ministério Público Federal na ação civil pública por ato de improbidade administrativa, o odontólogo, em vez de prestar serviço à população, estava, na verdade, cursando Medicina no município de Juazeiro do Norte (CE), em período integral, sendo impossibilitado de exercer seu cargo devido à incompatibilidade de horários.

No recurso, o dentista alegou que manteve os atendimentos em Abaiara, durante os horários vagos que tinha na faculdade, conseguindo dar conta dos pacientes nos dias que estava presente. Entretanto, a Segunda Turma do TRF5 apontou não haver provas materiais minimamente seguras de que ele tenha prestado os devidos serviços à população da localidade. O servidor terá que efetuar a devolução integral dos valores recebidos, totalizando R$ 83.838,36 em valores históricos, de janeiro de 2013.

O desembargador federal Paulo Cordeiro, relator do processo, votou no sentido de que o fato de o dentista continuar a receber o salário sem a devida prestação dos serviços odontológicos configura não apenas enriquecimento ilícito, mas também dolo e má-fé. “Até o mais leigo dos homens sabe ser ilegal, imoral e reprovável assumir um labor, receber por ele e não desempenhá-lo, como foi o caso”, diz o voto.

A Segunda Turma do TRF5 confirmou, ainda, a condenação da secretária municipal de saúde à época dos fatos porque, ocupando esse cargo, ela detinha a responsabilidade pela gestão das pessoas integrantes do quadro de pessoal que lhe era subordinado. Além disso, provas testemunhais confirmam que a gestora tinha conhecimento das faltas sistemáticas do servidor.

Processo nº 0001957-13.2014.4.05.8102


Autor: Divisão de Comunicação Social do TRF5

 Imprimir 

Top